Você pode ouvir a dica completa no player abaixo. Dê um play!

O planejamento estratégico tem como objetivo possibilitar que a empresa alcance os objetivos desejados.

É necessário começar a pensar constantemente na melhoria do negócio e um caminho viável é refletir sobre alguns pontos primordiais que são estratégicos, com destaque para: Onde você pretende chegar com a empresa? Qual o caminho que tem que ser seguido? Como controlar e acompanhar os resultados? Conheço o mercado que atuo? Qual o produto mais rentável que comercializo? Tem algum produto que gera prejuízos? Os serviços são fundamentais para o cliente? Tem como melhorar e até ofertar algo novo?

Pode parecer complicado o exercício de pensar estratégico, mas com a repetição e o tempo, tal procedimento para você vai ser rotineiro e fundamental para alavancar a empresa. Não esqueça de escrever as respostas e sempre que possível avaliar o que está sendo feito e o que pode ser aprimorado.

Para o sucesso do Planejamento Estratégico, você pode se apoiar em 2 ferramentas muito usuais no dia a dia das empresas, conhecidas como: Matriz FOFA e Ciclo PDCA.

A Matriz FOFA, também é conhecida do inglês como Análise SWOT e consiste em: conhecer o cenário que a empresa desenvolve os trabalhos, através do entendimento do macroambiente de atuação com o mapeamento de oportunidades e do conhecimento na maneira de lidar com as ameaças, sempre olhando para o ambiente externo à empresa e identificar no microambiente as forças que fazem a diferença no negócio e como reduzir o impacto das fraquezas, olhando para o ambiente interno, ou seja, para dentro da própria empresa.

Para construir a Matriz FOFA, o MEI deve fazer um quadro dividido em 4 partes com os tópicos: Oportunidades, Ameaças, Forças e Fraquezas.
Em cada um deles, deve identificar e escrever como a empresa é afetada.
Por exemplo, para considerar as oportunidades e ameaças deve levar em conta o ambiente externo e que a empresa não controla, mas recebe os impactos da economia, política, sociedade e avanços tecnológicos.
As oportunidades tem caráter positivo e são os pontos que a empresa pode tirar de melhor, já as ameaças são fatores que podem atrapalhar a atuação no mercado.

Na hora de identificar as forças e fraquezas, o MEI tem que considerar o controle que tem do ambiente, pois vai olhar para dentro do negócio.

Tem que identificar e melhor aproveitar estas forças, de tal maneira que o cliente reconheça como diferencial frente à concorrência e com isso passe a acionar mais os serviços ou comprar mais produtos, já às fraquezas mapeadas tem que ser enfrentadas com rapidez, buscando ações para minimizar os impactos que causam no negócio.

A outra ferramenta é o Ciclo PDCA, que consiste em orientar a empresa através de 4 etapas que são fundamentais para entender de maneira estratégica o negócio e proporcionar ações corretivas tão logo sejam necessárias. As etapas são:

P - Planejamento (inglês: Plan),
D - Executar (inglês: Do),
C - Controle (inglês: Check)
A - Agir (inglês: Act). 


Para elaborar o Ciclo PDCA, o MEI deve começar pela etapa do Planejamento, que é o momento de identificar os problemas e os pontos fortes. Para os problemas tem que construir planos com as ações e metas necessárias para corrigir o que está errado e já para os pontos fortes tem que criar e redigir procedimentos que potencializem cada vez mais estes acertos.

A próxima etapa é o Executar, que é colocar em prática o planejamento das ações e metas, respeitando os prazos, recursos financeiros e a mão de obra necessária, para assim, alcançar o que se deseja.

Em seguida, o MEI tem que realizar o Controle, que é o momento onde deve ser analisado se as metas foram atingidas e gerar relatórios com as informações e indicadores sobre os desdobramentos no negócio. Em relação aos pontos fortes, o controle dos procedimentos é fundamental para a continuidade e fortalecimentos dos acertos.

A finalização do ciclo ocorre com a etapa do Agir, que consiste em fazer as correções necessárias ao que ainda apresenta divergências com o planejado, além de, documentar e padronizar os acertos, como modelo para ser seguido.

A vantagem da implantação do Ciclo PDCA é que ele é sistêmico, ou seja, não deve parar, você tem que constantemente avaliar as metas e testá-las no ciclo, para assim garantir efetividade, melhorias e antecipação a possíveis demandas.

MEI, pensar estratégico faz toda a diferença. Avaliar e implantar alternativas para melhor fazer a gestão do negócio é essencial para sair na frente da concorrência e alcançar o desenvolvimento da empresa de maneira sólida e com os fundamentos necessários para ter o sucesso desejado.