O mercado de alimentação é amplo e com um grande número de consumidores, mas também muito competitivo, o que demanda planejamento e dedicação. Ainda há espaço de se aventurar, mas sempre tendo em mente que buscar um diferencial competitivo é fundamental para agregar valor nas vendas.

    Todo trabalho terá que prezar pela entrega de comidas com qualidade, higiene nas instalações e manuseio dos alimentos, além de prestar atendimento com cordialidade e ter preço justo.

    Os 2 principais formatos de negócio para a abertura de lanchonete são: o modelo tradicional, que é o instalado em ponto comercial e o mais comum encontrado, e o móvel, que o MEI se desloca até locais de grande circulação de potenciais clientes, normalmente através de veículo adaptado, o que permite também, a participação em eventos, como: feiras gastronômicas, confraternizações empresariais e festas.

    Nos 2 formatos, você pode incluir a opção de Delivery, com a observação que para a lanchonete móvel, o ideal é que ocorra a propaganda e divulgação das datas e locais de trabalho de maneira antecipada, bem como, da existência dos serviços de Delivery. Avalie bem as possibilidades e os custos envolvidos em cada modelo e mãos a obra.

    Muitos profissionais precisam emitir notas fiscais da comercialização dos produtos e para participação em eventos. Para atender a esta necessidade, a formalização como MEI é uma opção viável, que traz também a tranquilidade de estar amparado pelos benefícios previdenciários, como: auxílio doença, salário maternidade, aposentadoria, entre outros; além de conseguir condições de compras melhores pelo fato de ter CNPJ.

    A formalização ocorre através das atividades de:
  • PROPRIETÁRIO DE CASA DE CHÁ;
  • PROPRIETÁRIO DE CASA DE SUCOS;
  • PROPRIETÁRIO DE LANCHONETE. 
    Você pode se formalizar em todas ou naquela que melhor se encaixar no que você for fazer.

     Acesse os serviços da nossa plataforma e conheça o que a Dicas MEI tem para você e como pode auxiliar na formalização e no dia a dia como MEI.

    A forma de atuação ocorre através de ponto fixo ou por meio de trabalhos em locais pré-determinados. O futuro MEI tem que verificar junto à Prefeitura, quais as exigências para trabalhar no local desejado.

    Entre os fatores mais críticos estão: a escolha do ponto comercial, a definição dos serviços e a montagem do cardápio que será disponibilizado aos clientes. A preferência é para áreas com grande fluxo de pessoas, com proximidade a: pontos de ônibus e táxi, estações de metrô, escolas, hospitais e outra possibilidade interessante são as regiões com comércio já estabelecido, como as feiras e praças de alimentação.
 
    Avalie a existência de concorrência na vizinhança, entenda os hábitos de consumo dos potenciais clientes, se a preferência é por lanches rápidos ou pratos mais elaborados e procure ter linhas diferenciadas de produtos.

    A escolha de fornecedores deve ser bem criteriosa, é o primeiro passo para que a qualidade do produto seja reconhecida pelos clientes. Não será um desafio, pois todos os insumos são encontrados nos supermercados, feiras, ceasas, atacadistas e distribuidores, cabendo pesquisa dos preços para uma melhor compra.

    O local de armazenagem dos insumos deve ser limpo e se possível todos os dias. Na geladeira, todos os alimentos devem ser conservados tampados, e descartar os alimentos velhos, se houver. Verduras, legumes, carnes, frangos e similares deverão ser comprados em menores quantidades e com maior frequência para se evitarem perdas e garantir produtos sempre frescos. Os prazos de validade dos alimentos devem ser cuidadosamente observados.

    Uma rotina que pode fazer a diferença é ter o costume de usar tábuas e facas diferentes para os tipos de produtos, ou seja, não misturar, os cortes de carnes, aves, peixes, queijos e embutidos, verduras, legumes e doces; assim você pode ter a certeza da aplicação das melhores práticas no manuseio de alimentos.

    As condições de higiene sanitária e os cuidados com os riscos previstos pelo Corpo de Bombeiros são importantíssimos para o desenvolvimento do negócio. Para mais informações acesse as nossas dicas: Vigilância Sanitária - Precauções com a Segurança Sanitária e Licenciamento - Corpo de Bombeiros.

    Fique atento, as linhas diet e light ou sem adição de algum nutriente são regulamentadas pela ANVISA, verifique os procedimentos e exigências a serem cumpridas conforme as Portarias 27 e 29 de 13 de janeiro de 1998.

    Para um modelo tradicional de lanchonete com estrutura enxuta e tamanho em torno de 70 m², o valor inicial médio de investimento leva em consideração os equipamentos de trabalho e as instalações para o cliente, fica em torno de R$ 20.000,00 e compreende: freezer, geladeira, fogão, liquidificador, chapas para lanches, forno micro-ondas, espremedor de frutas, estufa para salgados, mesas e cadeiras, computador e impressora fiscal, pias, balcão de atendimento, balcão caixa, expositores, entre outros, além é claro da própria reforma do local, que deve priorizar o piso frio e pintura de paredes na cor clara e disponibilizar banheiros.

    Alguns custos são rotineiros e precisam ser previstos, como: aluguel do ponto comercial, água, luz, telefone e acesso a internet. 

    O ideal é que se disponibilize pelo menos R$ 1.500,00 para a primeira compra das matérias primas e dos ingredientes, conforme o mix de produtos que serão ofertados. Além da aquisição de luvas e máscaras. E preste atenção com o estoque, diariamente você terá que comprar os insumos e o ideal é que faça previsão de pelo menos R$ 200,00 para isso, que é o que chamamos de capital de giro. Os valores serão adaptados com o dia a dia das operações.

    É essencial estar preparado para o trabalho e fazer curso de manipulação e higiene de alimentos para aprender como lidar com produtos de origem alimentícia, vai fazer toda a diferença.

    Caso venha precisar de ajuda, você como MEI, pode contratar um funcionário e o ideal é que antes de iniciar os trabalhos, ele também se capacite.

    Na hora de vender, procure estabelecer relacionamento de confiança com seus futuros clientes e crie um ciclo de amizade com cada um deles. Em relação aos recebimentos, disponibilize a maquininha para pagamento com cartão de débito e crédito.

    Já no marketing do negócio, as redes sociais, como Facebook e Instagram são ferramentas importantíssimas e complementares para alavancar os serviços, principalmente pela facilidade de acesso e o baixo custo envolvido. Toda a publicação de conteúdo, imagens e textos, tem que ser bem avaliados e o cliente tem que perceber que as informações estão sendo úteis para ele. Coloque também depoimentos dos clientes e imagens deles na lanchonete. É fundamental solicitar ao cliente a autorização prévia para publicação do conteúdo.

    A propaganda e publicidade da lanchonete podem ser feitas também através da distribuição de panfletos e cartões de visita em locais com grande fluxo de pessoas, priorizando a vizinhança do negócio e os clientes já existentes. Devem ser considerados, anúncios em revistas e jornais de bairro e nas rádios comunitárias. Entretanto a divulgação “boca a boca” é a mais eficaz, o que aumenta a necessidade e importância pela qualidade dos serviços prestados, pontualidade e cordialidade, além é claro de ter um preço justo.

    Uma boa prática de gestão de relacionamento é montar o cadastro com os dados pessoais dos clientes. Identifique também a melhor maneira de comunicação, se é por email, WhatsApp, telefone ou pessoalmente.
    
    Preste atenção, para manter a lucratividade e o cliente satisfeito, você precisa investir na qualidade do produto, nas práticas do bom atendimento, ter um programa de fidelização, estar sempre trazendo novidades, apostar na publicidade e acima de tudo ter muita dedicação. Isto faz toda diferença.