Você pode ouvir a dica completa no player abaixo. Dê um play!

    Queijeiro é o profissional responsável por fabricar queijos, podendo ser feito a partir do leite de vacas, cabras, búfalas, entre outros mamíferos. É um produto simples de fazer, muito saboroso, mas com regras e critérios da Vigilância Sanitária que devem ser seguidos para garantir a conservação e qualidade. 

    É muito apreciado em todo Brasil e está em rápida expansão nos cardápios dos principais locais gastronômicos, seja para utilização no macarrão, lasanha, sopa, risoto, lanches ou como tira gosto. O que não falta são opções para uso.

    O mercado é bem abrangente e existem diversos tipos de queijos, que com certeza agradam os mais variados paladares. Os mais populares e consumidos são: mussarela, prato, parmesão, coalho, cheddar, minas, gorgonzola, provolone, ricota, requeijão, entre muitos outros.

    Muitos profissionais são autônomos e precisam emitir notas fiscais para a venda dos queijos aos estabelecimentos comerciais, atacadistas e varejistas. Para atender a esta necessidade, a formalização como MEI é uma opção viável, que traz também a tranquilidade de estar amparado pelos benefícios previdenciários, como: auxílio doença, salário maternidade, aposentadoria, entre outros; além de conseguir condições de compras melhores pelo fato de ter CNPJ. A formalização ocorre através da atividade de: QUEIJEIRO / MANTEIGUEIRO INDEPENDENTE. 

    Acesse os serviços da nossa plataforma e conheça o que a Dicas MEI tem para você e como pode auxiliar na formalização e no dia a dia como MEI.

    O futuro MEI pode fabricar os queijos na própria residência e tem que verificar junto à Prefeitura, quais as exigências para trabalhar no local desejado, além de atender as normas e condições de higiene determinadas pela vigilância sanitária para o manuseio de produtos de origem alimentícia e os cuidados referentes ao Corpo de Bombeiros, visto que o setor está sujeito à intensa regulamentação e fiscalização.
    Um dos fatores mais críticos é a montagem do portfólio de queijos que será disponibilizado aos clientes. Avalie a existência de concorrência na vizinhança, entenda os hábitos de consumo dos potenciais clientes, se a preferência é por queijos mais suaves ou fortes e procure ter linhas diferenciadas de sabores. 
    
    Fique atento, as linhas diet e light ou sem adição de algum nutriente são regulamentadas pela ANVISA, verifique os procedimentos e exigências a serem cumpridas conforme as Portarias 27 e 29 de 13 de janeiro de 1998. Valide a receita com nutricionistas e médicos. Avalie os custos, ganhos e mãos a obra; é uma boa alternativa.
    
    O local para a fabricação dos queijos, basicamente, é a cozinha que deve ter uma distribuição que permita a livre circulação de pessoas e você pode começar com os equipamentos e utensílios que já tem e a estrutura mínima ideal, compreende: fogão, geladeira, liquidificador, processador de alimentos, panelas de preferência de ferro, micro-ondas, balança de precisão para pequenos volumes, mesa de mármore ou aço inox para manuseio dos ingredientes, peneiras, garfos, facas, colheres, embalagens para armazenar os queijos prontos para venda e lixeiras que não necessitam de toque para abertura.

    É fundamental que as paredes, teto e chão tenham cores claras, para facilitar a limpeza e garantir a higiene, assim como deve ser uma área seca e arejada. 

    O local de armazenagem dos insumos deve ser limpo e se possível todos os dias. Na geladeira, todos os alimentos devem ser conservados tampados, e descartar os alimentos velhos, se houver. Os prazos de validade dos alimentos devem ser cuidadosamente observados.

    O investimento inicial fica entre R$ 6.000,00 a R$ 9.000,00 e compreende a reforma da cozinha para adaptação as condições de higiene sanitária e aquisição dos equipamentos e utensílios mais comuns, já descritos acima. Neste caso não estão sendo considerados os equipamentos que você já tem para a composição do investimento inicial.

    O ideal é que se disponibilize pelo menos R$ 1.000,00 para a primeira compra dos ingredientes, conforme o mix de queijos que serão ofertados. Além da aquisição de luvas e máscaras.

    Alguns custos são rotineiros e precisam ser previstos, como: luz, água, telefone e acesso a internet. E preste atenção com o estoque, você terá que comprar os ingredientes para reposição, que é o que chamamos de capital de giro. A previsão dos recursos depende diretamente da produção diária, mas uma boa estimativa é de R$ 250,00 a cada 5 dias. Os valores serão adaptados com o dia a dia das operações.

    A escolha de fornecedores deve ser bem criteriosa, é o primeiro passo para que a qualidade do produto seja reconhecida pelos clientes. Não será um desafio, pois todos os ingredientes são encontrados em supermercados, laticínios, feiras, ceasas, atacadistas e distribuidores, cabendo pesquisa dos preços para uma melhor compra.

    Na hora de preparar os queijos, padronize as quantidades de ingredientes utilizadas e o formato, além de procurar manter o mesmo peso. O cliente vai ter a sensação de comprar sempre o mesmo produto.
Faça cursos e procure inovar com novas receitas e sabores, o cliente valoriza novidades. Acompanhe os movimentos da concorrência, ela sempre tem o que ensinar. 

    Agora, é fundamental estar preparado para o trabalho e fazer curso de manipulação e higiene de alimentos para aprender como lidar com produtos de origem alimentícia, vai fazer toda a diferença.
Caso venha precisar de ajuda, você como MEI, pode contratar um funcionário e o ideal é que antes de iniciar os trabalhos, ele também se capacite.

    Na hora de vender, procure estabelecer relacionamento de confiança com seus futuros clientes e crie um ciclo de amizade com cada um deles. Comece oferecendo seus produtos nas proximidades da sua casa e trabalho, e vá aos poucos expandindo para todo o bairro e estabelecimentos comerciais, o importante é fazer um trabalho bem feito. 

    Em relação aos recebimentos, disponibilize para o cliente, a maquininha para pagamento com cartão de débito e crédito.

    O bom atendimento vai fortalecer a tradicional e eficiente publicidade boca a boca, o que aumenta a necessidade e importância pela qualidade dos serviços prestados, pontualidade e cordialidade, além é claro de ter um preço justo.

    Outras boas opções são: investir em anúncios nos jornais regionais e ofertar degustações em restaurantes e lanchonetes. Participe, também, de feiras e eventos em locais de grande circulação de pessoas. Tenha o hábito de distribuir cartões de visita, o cliente vai saber como achar você e ainda pode recomendar para outras pessoas.

    Já no marketing do negócio, as redes sociais, como Facebook e Instagram são ferramentas importantíssimas e complementares para alavancar as vendas, principalmente pela facilidade de acesso e o baixo custo envolvido. Toda a publicação de conteúdo, imagens e textos, tem que ser bem avaliados e o cliente tem que perceber que as informações estão sendo úteis para ele. Coloque também imagens dos queijos e depoimentos dos clientes. É fundamental solicitar a eles a autorização prévia para publicação do conteúdo.

    Procure lançar promoções, criar enquetes e anunciar lançamentos em primeira mão, com isso você vai estimular a procura deles pelos queijos. Mantenha o canal de comunicação aberto e deixe claro qual o prazo que você vai entregar os produtos.

    MEI, uma boa prática de gestão é montar o cadastro com os dados pessoais e de preferências dos clientes, que permitam você identificar: o que ele gosta de comprar; os melhores horários para falar com ele; formas de pagamento utilizadas; a melhor maneira de comunicar, se é por email, WhatsApp, telefone ou pessoalmente. Quanto mais você conhecer o cliente é melhor.